Blog

Gatos também vão ao dentista! Saúde bucal exige atenção e tem profissional especializado

Cuidar da saúde bucal dos felinos desde cedo é fundamental para evitar doenças sérias, que colocam em risco a vida do seu amigo. A falta de cuidado com a dentição deles pode causar inflamação, infecções nas gengivas e até câncer, além de desencadear doenças de coração, de rins, perda dos dentes e muita dor.

O desenvolvimento da medicina veterinária permitiu a segmentação em várias especialidades, onde os profissionais podem se especializar e atender melhor nossos pets, provendo tratamentos mais eficazes e, principalmente, prevenção para que eles tenham maior qualidade de vida e longevidade.

Surgiu, assim, a odontologia veterinária. Estes profissionais especializados são capacitados para cuidar da saúde bucal do seu gatinho desde cedo, detectando possível má formação dentária, acúmulo de tártaro e placa bacteriana, infecções e outros males que podem culminar com doenças perigosas, como o câncer de cavidade bucal, além de gerarem dor e desconforto para nossos companheiros de todas as horas.  

Além de uma série de doenças, a dor de dente, nos felinos, faz com parem de se alimentar. “Em consequência, podem desenvolver doenças como a lipidose hepática felina causada pela baixa ingestão de alimentos, tornando-se, anoréxicos”, sinaliza a Dra Karolyne Larocca, veterinária do Hospital Veterinário Taquaral.

Daí a suma importância da avaliação odontológica, onde o profissional poderá detectar a existência de problemas para tratá-los antes que se agravem.  O acompanhamento deve ser periódico, realizado, ao menos, uma vez ao ano, e permitirá, também, a avaliação da necessidade de uma limpeza para remoção de tártaro, entre outros procedimentos.

Cuidado deve começar cedo

A atenção com a saúde bucal é fundamental e deve iniciar ainda na fase de filhote. Começando a escovação e a higienização da boca neste período, você acostumará o gatinho a um importante hábito para preservação de sua saúde.

Também, nesta fase, faça a primeira visita ao dentista, pois alguns problemas surgem logo na formação da dentição dos felinos.

Como nós, eles também trocam a dentição. Os dentes decíduos, conhecidos como dente de leite, surgem entre três e 12 semanas de idade.

Os gatinhos filhotes têm 26 dentes, que devem ser trocados entre três e seis meses para a dentição permanente, composta por 30 dentes. Nesta transição, pode ocorrer de um ou mais dentes decíduos não caírem e ocuparem o mesmo espaço, ficando desta maneira, os dentes apinhados.

Este posicionamento conjunto dos dois dentes no mesmo local, ocasiona dores e doenças periodontais. “Pode propiciar ao maior acúmulo de placas bacterianas geradas pelos restos de alimentos entre os dentes”, explica Dra Karolyne.

Este acúmulo, somado a outros fatores, como as bactérias existentes na boca, favorecem o surgimento de cálculos dentários e da doença periodontal, um mal infecto-inflamatório que acomete os tecidos de suporte e sustentação dos dentes, culminando com sua perda.

Para evitar todo este transtorno que prejudica a saúde do seu amigo, o dente que não caiu precisa ser removido com uma intervenção cirúrgica.

Outras alterações podem ser diagnosticadas e tratadas nos filhotes, evitando que persistam e se agravem durante sua vida adulta, como a não erupção dos dentes de leite e defeitos na mordida.

Também podem ser detectadas na fase inicial, neoplasias (tumores), quando parecem apenas como manchas ou pequenos nódulos que os tutores não conseguem detectar. Como sabido, nestes casos, quanto mais cedo detectado o problema, melhor é o prognóstico para tratamento e cura.


Nunca descuide da higiene bucal

Desde filhotes, é importantíssimo iniciar os cuidados diários com escovação e limpeza com produtos apropriados para os pets. “Os felinos podem ser mais arredios em relação à manipulação bucal, mas se acostumados desde cedo costumam aceitar bem, como os cães”, recomenda Dra Karolyne.

O veterinário especializado orientará como realizar de forma eficaz o procedimento. A limpeza é fundamental porque evita o acúmulo de tártaro e de placa bacteriana.

“Os agentes bacterianos contidos na cavidade bucal são microorganismos altamente proliferativos que, com o passar do tempo, causam lesões aos tecidos adjacentes aos dentes, ocasionando inflamações na gengiva e a destruição do epitélio de fixação gengival”, esclarece a médica veterinária.

Em consequência, seu amigo sentirá dor, terá sangramento e queda dos dentes pela lesão. E o quadro pode ser ainda pior com desencadeamento de sérias doenças secundárias como Glomerulonefrite (inflamação dos glomérulos, nos rins), Endocardite Bacteriana (infecção do músculo cardíaco ou suas estruturas, como as válvulas cardíacas), Hepatite, Poliartrite e Pneumonias.

Os gatos podem desenvolver, ainda, algumas doenças específicas, como o Complexo de Gengivite Estomatite Faringite dos Felinos (CGEF); a

Lesão Reabsortiva dos Felinos (LRF) e o Câncer de Cavidade Bucal.

“Acompanhamento periódico com um veterinário e cuidados diários de higiene são fundamentais para prevenção e tratamento dos males”, alerta dra Karolyne.

Por isto é importante, mesmo com animais adultos não habituados, iniciar uma rotina de prevenção com escovação e limpeza. “É importante começar cedo e tentar acostumar mesmo os adultos, mas se o gato não permitir de jeito nenhum, podemos oferecer alimentos crus como cenouras ou maçãs, por exemplo. Ou até petiscos industrializados anatômicos para este fim que auxiliam na prevenção do tártaro.”, orienta Dra Karolyne.

E deve-se manter consultas anuais para avaliação geral e manutenção da limpeza com procedimentos de profilaxia realizados pelo médico veterinário.

Problemas de má formação dentária também são alvo de atenção. Existem aparelhos ortodônticos, indicados, geralmente, para casos de má oclusão dentária, posicionamento inadequado de mandíbula ou maxilares, osteossínteses (fraturas ósseas), entre outros desvios. A correção garante conforto ao animal, melhor mastigação, evita traumatismos e outros agravantes.

Recapitulando: o que você não pode esquecer sobre a saúde bucal do seu gato


  • Faça a limpeza regular, diária preferencialmente, dos dentes e da boca com produtos específicos
  • Consulte um veterinário anualmente para avaliação da saúde bucal do gato. Somente ele poderá diagnosticar e tratar os males e evitar que evoluam para doenças sérias
  • Avalie periodicamente as condições gerais: veja se ele está com dentição completa para idade, se tem dentes tortos ou juntos, se estão amolecidos.
  • Mau hálito ou coloração da gengiva mais avermelhada, o normal é ser rosada; sangue na boca ou nos brinquedos; e alteração na saliva são sinais de alerta e exigem uma consulta imediata.





Share this post

Related Post

Castrar ou não Castrar

No post anterior falamos sobre a importância dos cuidados dentários com seu pet. Neste artigo, você saberá...

Meu filhote de gato chegou e agora? (Parte #2 Desverminação)

No artigo anterior, abordamos os cuidados básicos na chegada do gatinho com até três meses. Clique AQUI...

Meu filhote chegou e agora? (Check – Up de boas vindas)

Neste espaço, você encontrará artigos com alertas e dicas importantes para cuidar bem do seu gatinho, ajudando-o...